#Eleições2010: O horário eleitoral funciona?

segunda-feira, 27 de setembro de 2010 Faça um comentário!

Que o horário eleitoral gratuito serve pra mostrar as propostas dos candidatos a cargos eletivos e, acima de tudo, conhecer melhor quem pode decidir o futuro do país nos próximos anos de mandato, isso é evidente. Pode não acontecer (como já foi dito aqui no #Eleições2010: Quando avacalhar é um detalhe...) mas é a forma pública mais eficaz na transparência dos projetos dos candidatos. Mais será que é justamente nesse período que o eleitor define seu voto nas eleições?

Vejamos os dados de intenção de voto para o cargo de Presidente nos anos de 1998, 2002 e 2006:

Em 1998, Fernando Henrique Cardoso tentava a reeleição. Tinha obtido sucessos nos quatro primeiros anos de mandato e era favorito a derrotar Lula, esse tentando novamente se eleger presidente depois de derrotas em 1989 (contra Collor) e em 1994 (contra o próprio FHC). O período de propaganda eleitoral nesse ano foi entre setembro e outubro. Antes do início, Fernando Henrique obteve 40% das intenções de votos em pesquisa Datafolha, e Lula 28%. Na pequisa IBOPE o cenário era quase o mesmo: FHC tinha 42% e Lula 25%. Com propaganda já no ar, FHC elevou em 8 pontos a seu índice na mesma pesquisa, foi a 48%, e Lula caiu para 25% . No IBOPE, FHC já somava 48% das intenções do eleitorado. Lula caiu, e foi a 22%. Com o trabalho dos marqueteiros já concluído no primeiro turno, a última pesquisa eleitoral antes da eleição mostrou que Fernando Henrique venceria Lula com 49% a 26% no Datafolha, e 49% a 24% no IBOPE. 
O resultado das urnas foi de 53% para o tucano e de 31% para o petista. Vitória no primeiro turno.

No ano de 2002, com a inflação descontrolada, o cenário político mudou. A oposição era considerada a esperança de renovação e mais uma vez, Lula foi o escolhido para a disputa. Seu adversário foi o ex-ministro da saúde, o também tucano José Serra. Sucessor do então presidente, foi prejudicado pelos fracassos do segundo mandato de FHC. Pesquisas antes do início da propaganda mostravam Lula com 38% no Datafolha e 34% no IBOPE. Serra aparecia com 20% e 17% respectivamente. Com propaganda no ar, Serra caiu vertiginosamente e foi ultrapassado até pelo então candidato Ciro Gomes. Lula se manteve sempre em primeiro. Nas últimas pesquisas antes da eleição, Ciro cai, Serra se recupera e Lula mantém favoritismo ainda que sem o mínimo necessário pra vitória em primeiro turno. 
Com esperança de mudança, Lula obtém 46% no primeiro e 61% no segundo turno.

Já em 2006, nem os escândalos do mensalão um ano antes tiraram o favoritismo de Lula. Dessa vez o adversário foi Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo. A desvantagem tucana foi de ter um candidato desconhecido pelo resto do país e a vantagem, claro, os escândalos do governo. No início da campanha no rádio e na TV, Lula obteve 44% das intenções de votos, e Alckmin 28%. A propaganda no ar trouxe benefícios para as duas candidaturas. Lula elevou seu índice pra 49% no Datafolha e 50% no IBOPE (ante 44% da pesquisa anterior) e o tucano foi a 31% (com 29% no IBOPE, ante 27% da última). Beneficiado pelo vazamento de informações sobre um dossiê para prejudicar a campanha tucana, dias antes do dia da eleição, Alckmin subiu ainda mais, foi a 35% e 34%, enquanto Lula caiu para 46% e 45% no Datafolha e IBOPE respectivamente. 
Lula novamente vence a eleição com 48% no primeiro e 60% no segundo.

Veja o quadro com as pesquisas eleitorais antes, durante e depois do horário eleitoral do 1º turno. Clique na imagem pra melhor visualização.

DATAFOLHA

IBOPE

Então, funciona?

ilustração por @thiagocipriano

0 comentários »