Conheça “Amor à Vida”, nova novela das nove

segunda-feira, 20 de maio de 2013 Faça um comentário!

A partir desta segunda, entra no ar a nova novela das 21h, “Amor à Vida”. Escrita por Walcyr Carrasco, com a colaboração de Daisy Chaves, Eliane Garcia, Daniel Berlinsky e Márcio Haiduck. Wolf Maya assina a direção de núcleo, Mauro Mendonça Filho, a direção-geral, e André Filipe Binder, Allan Fiterman, Marco Rodrigo, Marcelo Travesso e André Barros assinam a direção da novela, o folhetim substitui “Salve Jorge”.

“A história da novela é muito abrangente, pois são várias as formas de amor. Temos uma história central muito forte, que envolve a família dona do hospital, com uma briga de posses, uma disputa velada de poder sobre os filhos e entre os filhos herdeiros”, define Wolf Maya.

Foto: Estevam Avellar/TV GloboCasados, César (Antonio Fagundes) e Pilar (Susana Vieira) são pais de dois filhos, Félix (Mateus Solano) e Paloma (Paolla Oliveira). A família é bem-sucedida financeiramente e, para quem não os conhece de perto, representam o modelo perfeito de relações afetivas. Mas quando o olhar se aprofunda, a verdade aparece.

César (Antonio Fagundes) e Pilar (Suzana Vieira) já foram apaixonados. Ela ainda o ama. Pode ser que ele não tenha deixado de amá-la, mas que seu coração tenha ficado mais “generoso”, já que mantém uma relação extraconjugal há anos.

Félix (Mateus Solano) é o “queridinho” da mamãe. Filho mais velho do casal, não tem muito a aprovação do pai em suas atitudes, mas recebe um irracional apoio materno. Grana e poder: é em busca disso que ele está. Félix ama a si mesmo, sentimento proporcional à sua falta de caráter. Para ele, somente uma pessoa seria capaz de atrapalhar os seus planos: Paloma (Paola Oliveira).

Paloma gostaria de ser amada pela mãe do mesmo jeito que é amada pelo pai e que pensa ser amada por Félix. Mas a relação com Pilar vem sempre sustentada por muita tensão. Já com César, é tudo diferente. Eles se compreendem e são recíprocos no amor que sentem. É a tal da afinidade. Agora, com Félix, é uma via de mão única. Ela é honesta com o irmão. Ele mente, manipula e, no fundo, a odeia.

A história começa há mais de dez anos, quando os Khoury viajam ao Peru para comemorar um momento importante na vida de Paloma: o ingresso no curso de Medicina. É lá onde as relações são colocadas à prova. Novamente, mãe e filha falham na tentativa de uma convivência harmoniosa. Só que desta vez, Félix aproveita para dar a cartada que acredita ser definitiva para o rompimento de Paloma com os pais.

Embora não tenha provas concretas, ele acredita que Paloma foi adotada por Pilar e César. E é com este trunfo que ele tira a irmã do eixo. Depois de saber da suposta verdade, Paloma joga tudo para o alto.

Paloma (Paolla Oliveira) e Ninho (Juliano Cazarré) - Foto: Estevam Avellar/TV GloboPaloma (Paolla Oliveira), dona de uma personalidade que reúne ímpeto e leveza, resolve reescrever sua trajetória após o rompimento familiar. Abalada, decide seguir o seu coração quando, ainda no Peru, conhece Ninho (Juliano Cazarré). Eles se apaixonam e vivem intensamente esse sentimento. Ela abre mão de tudo, do futuro previsível, da carreira médica e das posses de sua família. Em contrapartida, experimenta o gosto de uma vida livre, sem rumos traçados. Ninho a convence a seguir seus passos, andar país afora, caminhar e dormir sob as estrelas.

Por um tempo, esse plano até funciona. Enamorados e sem um tostão no bolso, se aventuram, conhecem pessoas e lugares diferentes. Exploram o Peru e partem para a Bolívia. Eles se bastam, se amam.

Mas os ventos quase sempre mudam de direção e sopram para rumos diferentes. Paloma engravida. A chegada do bebê faz a jovem pensar e colocar os pés no chão. Agora, não serão apenas Paloma e Ninho. Uma criança exige cuidados e o mínimo de segurança. Neste momento, o casal toma a decisão de voltar para o Brasil. E, mais uma vez, a vida de Paloma vira de cabeça para baixo.

A saída da Bolívia transforma-se numa tentativa frustrada do casal. Sem recursos, Ninho arrisca-se para conseguir dinheiro para viajar e aceita transportar, colado ao próprio corpo, droga para o Brasil. Mas é preso ainda no aeroporto. Ela consegue embarcar para São Paulo, com o coração partido, sem entender o que deixou para trás.

Félix (Mateus Solano) - Foto: Estevam Avellar/TV GloboFélix (Mateus Solano) reúne uma lista enorme de defeitos em seu caráter. Mesmo mantendo um bom relacionamento com a mãe, Pilar (Susana Vieira), Félix não dá ponto sem nó. Ela é o seu principal instrumento para conseguir chegar onde quer, conquistar o que quer, embora Pilar não compactue racionalmente com as reais intenções do filho.

Casado com Edith (Bárbara Paz), Félix consegue a façanha de sustentar um relacionamento de fachada, inclusive para a sua esposa. O que ele sente passa bem longe de ser amor, especialmente do amor que une homem e mulher. Mas Félix sabe que essa união com Edith pode ajudá-lo a convencer o pai, César (Antonio Fagundes), de que é a pessoa certa para assumir o hospital San Magno, que pertence à família. Ele quer ser o filho perfeito com a família ideal. E por isso, como nunca conseguiu ter filhos, Félix concordou em adotar Jonathan (Thales Cabral).

Tirar a irmã, Paloma (Paolla Oliveira) de seu caminho é uma preocupação constante. No Peru, acreditou ter feito tudo certo para afastá-la de vez da família. Ele não esperava que ela voltasse ao Brasil. Muito menos esperando um filho!  Félix teme que o bebê seja o vínculo que reaproximará Paloma dos pais. Além de ser mais um herdeiro na disputa pelo San Magno.

Paloma (Paolla Oliveira) e Félix (Mateus Solano) - Foto: Zé Paulo Cardeal/TV GloboDe volta ao Brasil, Paloma (Paolla Oliveira) acredita que a única pessoa em quem pode confiar é o irmão, Félix (Mateus Solano). Frio e calculista, ele planeja o futuro de Paloma sem que ela perceba a jogada. No fundo, ele vai tentar, mais uma vez, mantê-la distante.

Félix consegue libertar Ninho (Juliano Cazarré) e trazê-lo de volta ao Brasil. Ele o reaproxima de Paloma e articula uma nova fuga da irmã, para que o bebê nasça bem longe da mansão dos Khoury.

Mas Paloma e Ninho não se entendem mais, embora ainda se amem. Eles tentam uma reaproximação, mas o tempo se encarrega de transformá-los em pessoas com objetivos diferentes.

Após uma discussão em um bar, Ninho deixa Paloma e, sozinha, ela dá à luz uma menina. O parto acontece em condições precárias. Mãe e filha ficam em apuros. Com a ajuda de uma desconhecida, e sem que ninguém da sua família saiba onde está, Paloma perde os sentidos e desmaia, sem ver a filha viva.

O destino acaba colaborando com os planos de Félix. Ele é o único a ficar sabendo onde Paloma está e vai ao seu encontro. Ele não faz ideia de que a sua sobrinha já nasceu. E, ao ver a criança ao lado da irmã desacordada, não pensa duas vezes: separa mãe e filha. O bebê é deixado por Félix em uma caçamba de lixo bem em frente ao San Magno.

Paula (Klara Castanho) e Bruno (Malvino Salvador) - Foto: Divulgação/TV GloboEnquanto isso, no centro cirúrgico do San Magno, Bruno (Malvino Salvador) vê o momento mais feliz e esperado de sua vida transformar-se em uma grande tragédia. Sua mulher e seu filho morrem no parto.

No meio da dor, encontra um sopro de vida em seu caminho. Ao deixar o hospital, Bruno ouve o choro de um bebê dentro de uma caçamba. Ele não hesita. Pega a menina em seus braços e, bem naquele instante, torna-se seu pai. Ela recebe o nome de Paula (Klara Castanho) e guarda em seu sangue a verdade que poucos sabem.

Mais de dez anos se passam. Paloma (Paolla Oliveira) nunca se recuperou da perda da filha e do gosto doce e amargo da paixão avassaladora que sentiu por Ninho (Juliano Cazarré).

A impossibilidade de exercer a maternidade transforma a vida de Paloma. Mais segura e menos voluntariosa, ela enfim torna-se médica e segue por diferentes rumos, o que não inclui um novo amor. O passado com Ninho ficou apenas na lembrança, uma recordação que ainda machuca.

Bruno (Malvino Salvador) reaparece em seu caminho. Eles se conheceram na época mais difícil da vida de Paloma, quando ela perdeu sua filha. Mas foi apenas um encontro casual. É provável que ele tenha se interessado por Paloma antes mesmo dela o notar, mas a insistência de um homem apaixonado não vê obstáculos. Bruno a convence a lhe dar uma chance mínima para, ao menos, se conhecerem.

Ele ganha um reforço importante: sua filha, Paula (Klara Castanho), por quem Paloma morre de amores. Esse amor tem explicação. A médica, além de ter uma afinidade inexplicável com a menina, sabe que ela tem a mesma idade que a sua filha teria. Paula e Bruno, juntos, representam a possibilidade de Paloma ter uma família de verdade.

 

0 comentários »